teatro-digital

Nelson Lins de Barros

Compositor, teatrólogo, poeta e músico. 

Festivais  Ópera  Shows  Cinema  Circo  Dança  Eventos  Internet  Literatura  Musica  Radio  Teatro  Tv  Contato

 

Nelson Alberto Lins de Barros

04/11/1920 Recife, PE -  03/11/1966 Rio de Janeiro, RJ - Compositor, teatrólogo, poeta e músico.
Filho do professor Joaquim Cavalcanti Leal de Barros e Maria Carmelita Lins de Barros numa familia de 16 filhos entre diplomatas, políticos e militares. Nasceu em Recife e passou a adolescencia no Rio de Janeiro, depois estudou no Canadá e Estados Unidos até retornar ao Rio de Janeiro.No final dos anos 1950, ligado à bossa nova, compôs:    Caminho do adeus (c/ Carlos Lyra),  De quem ama (c/ Carlos Lyra),  Depois do Carnaval (c/ Carlos Lyra),  É tão triste dizer adeus (c/ Carlos Lyra), Gostar ou não gostar (c/ Carlos Lyra),  Manhã de liberdade (c/ Marco Antonio Menezes)

Em 1961, escreveu, em parceria com Francisco de Assis, "Um americano em Brasília", peça teatral musicada por Carlos Lyra, com quem compôs, no ano seguinte, a trilha sonora de "Couro de gato", curta-metragem de Joaquim Pedro de Andrade, incluída em "Cinco vezes favela".
Musicou "Memórias de um sargento de milícias", peça teatral de Millor Fernandes, sobre texto de Manuel Antônio de Almeida.
Foi editor da parte de música brasileira da Enciclopédia Britânica e membro do Conselho Superior de MPB do Museu da Imagem e do Som (RJ), em sua implantação.
Sua canção "Manhã de liberdade" (c/ Marco Antonio Menezes), vencedora do concurso promovido pelo Grupo Opinião sobre o tema liberdade, foi lançada, em 1966, em LP homônimo gravado por Nara Leão.
Estudou na Queen's University, em Kingston (Canadá) e na Universidade da Califórnia em Berkeley (EUA). Trabalhou no Consulado do Brasil, na Califórnia. De volta ao Brasil, atuou, como cientista e membro do Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas.
Faleceu no dia 3 de novembro de 1966, vitimado por um enfarte. Atuava, na ocasião, como secretário-geral do Centro Latino-Americano de Pesquisas Físicas.

Letras de músicas

Depois do Carnaval

Nelson Lins de Barros e Carlos Lyra

Depois do carnaval eu vou tomar juízo,
Há muito que eu preciso me regenerar,
Largar mão da viola, procurar batente,
Preciso urgentemente,
Me estabilizar.

Mais tarde vem você,
Depois do carnaval,
Você vai compreender,
Que é muito natural.

A vizinhança já está falando horrores,
Você não me defende ainda vem contra mim,
Dizer que não trabalho e vivo de favores,
Faz tanto exagero, não é bem assim.

Mais tarde vem você,
Depois do carnaval,
Você vai compreender,
Que é muito natural.

Manhã de Liberdade

Nelson Lins de Barros e Marco Antonio Menezes

Vê como a noite desceu
Como tudo morreu
Sem ter pena da gente
Vê quanto olhar se fechou
Quanta voz se apagou
Sem dizer o que sente
Não vê quanta flor, quanta luz
Vai nascendo
Oh tanto amor que dá
Tanto pra ganhar, tanto que fazer

E o mundo inteiro cantando, cantando,
Liberdade ao nascer manhã

Laialá...

Sei, ninguém deve chorar
Ninguém deve sonhar
Tanta coisa perdida
Sei, essa vida se faz
Só a gente é capaz de mudar nossa vida
Não sei, quanto tempo é preciso esperar
Paz, igualdade, amor, liberdade
Vida que vai nascer
E o mundo inteiro cantando, cantando
Liberdade ao nascer manhã

Gostar Ou Não Gostar

Carlos Lyra e Nelson Lins de Barros

Gosto de cheiro de mato
Da brisa do mar
Gosto das tardes morrendo
Da luz do luar
Quero um amor de verdade
Pra me compreender
Não vê?
Que eu sonho com a felicidade
E tenho um amor
Que é você.

Mas não gosto de chuva miúda
Das noites sem fim
Não gosto de gostar de alguém
Que não goste de mim

Não quero amor sem carinho
Não quero sofrer
Pra que?
Se eu não sonho mais que sozinho
Não tenho você

É Tão Triste Dizer Adeus

Carlos Lyra e Nelson Lins de Barros

É tão triste dizer adeus
É mais triste que morrer
Quando um morre
O outro chora
Mas se um dos dois vai embora
Os dois é que vão sofrer

Se eu ficar,
Tão triste
Sem você
Dizer adeus

Mas pra que
Que eu vou ficar
Pra comida preparar
E ter filhos pra criar
E ter roupa pra lavar
O melhor
Tão triste
É separar
Dizer adeus

Pra viver nosso cantinho
E fazer sempre juntinho
Tantas coisas
Que só dois sabem fazer

E essas coisas tão bonitas
Se você for mesmo embora
Vão se embora com você

Pras despesas aumentar
E a vida piorar
Ninguém pode suportar
O Melhor,
Tão triste
É separar
Dizer adeus

Dueto

Carlos Lyra & Nelson Lins E Barros

Play

Zequinha: Só tem medo quem não sabe o que fazer
Quem não tem ninguém que possa lhe ajuda
Mas estou aqui pertinho
Para proteger você

INTERLÚDIO

Rosinha: Quando estou com você
Medo eu não tenho não
Quando estou com você
Vejo tudo tão bonito assim
A vida tão feliz assim
Eu fico tão contente com você
Fontes: http://www.dicionariompb.com.br/nelson-lins-e-barros/bibliografia-critica   e  dados  familiares.